Mulher de 100 anos é eleita para conselho municipal de cidade na Alemanha

Mulher de 100 anos é eleita para conselho municipal de cidade na Alemanha

Aposentada é eleita para uma das 24 cadeiras do conselho municipal de sua pequena cidade, no sudoeste da Alemanha. Pró-UE e crítica da nova onda nacionalista, ela diz que nunca é tarde para lutar por mudanças políticas.

Aos cem anos, a alemã Lisel Heise conseguiu entrar para o conselho municipal de sua cidade natal, a pequena Kirchheimbolanden, no sudoeste da Alemanha. Um pleito local realizado neste domingo (26) confirmou a eleição da centenária a uma das cadeiras do conselho.

A ex-professora de educação física vinha lutando há muito tempo pela reabertura da piscina pública ao ar livre de sua cidade, que se tornou o principal mote de sua campanha. Cansada de não obter resultados, ela decidiu se lançar na política.

Heise se candidatou a uma das vagas do conselho municipal após ser consultada pelo grupo popular local Wir für Kibo (algo como “nós por Kirchheimbolanden”), que faz uma campanha por maior transparência e envolvimento público na política regional.

Na eleição deste domingo, o grupo conquistou duas cadeiras no conselho, composto por 24 assentos, ao receber quase 9% dos votos da cidade. Originalmente em 20º lugar nas projeções, Heise cresceu em popularidade e foi a mais votada entre os candidatos do Wir für Kibo – ela recebeu 991 votos, precisamente.

“Quem quer mudar alguma coisa precisa trabalhar por isso”, disse a mais nova política de Kirchheimbolanden, de quase 8 mil habitantes, sobre sua candidatura. Para ela, trabalhar para promover mudanças políticas e sociais é algo que independe da idade.

A alemã espera agora ter sua voz finalmente ouvida depois de anos se sentindo ignorada pelas autoridades locais. Ela costuma mencionar a maneira como o microfone era tirado de sua mão em reuniões públicas, sempre que mencionava o assunto da piscina.

A aposentada lamenta a perda da piscina – fechada em 2011 – afirmando que era um “paraíso para as crianças”, que a cidade nunca deveria ter deixado fechar. “Eu cresci lá”, disse ela durante a campanha.

“Eu sei, por experiência própria, como ela é importante, tanto para o espírito, quanto para o corpo.”

Quanto a seus pontos de vista políticos mais amplos, ela é pró-europeia – acha que o Brexit, a saída britânica da União Europeia, nunca deveria ocorrer – e saúda os esforços de estudantes na campanha contra as mudanças climáticas. Mas teme que a sociedade esteja emburrecendo.

“Basta ligar a televisão. Durante o dia, só tem blá blá blá. As coisas que são realmente interessantes, politicamente interessantes, só passam à noite, quando os trabalhadores estão dormindo. Como resultado, eles não são devidamente informados”, disse antes de ser eleita.

Nascida logo após a Primeira Guerra Mundial e testemunha da Segunda Guerra e da reconstrução da Europa, Heise ainda descreve a nova onda nacionalista no continente como uma “loucura”.

Muito popular na cidade por conta de sua antiga profissão, a aposentada segue agora os passos do pai, que era membro do conselho antes da Segunda Guerra. Ele foi preso por quatro semanas depois de criticar a destruição de sinagogas pelo regime nazista.

Acompanhe as Noticias Pelas Categorias abaixo:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *