Manifestantes protestam em BH contra os cortes na educação

Manifestantes protestam em BH contra os cortes na educação

Ato tem cartazes contra o bloqueio de verbas para universidades públicas e faixas contra a reforma da Previdência e flexibilização do porte de armas

Em Belo Horizonte, milhares de pessoas foram às ruas em defesa da educação pública e contra medidas do governo Bolsonaro, como flexibilização do porte de armas.

O ato na capital mineira começou no fim da tarde de ontem, com concentração na Praça Afonso Arinos, no centro de BH. A partir de 18h15 os manifestantes seguiram pela avenida João Pinheiro, depois desceram a Rua dos Timbiras e a Avenida Afonso Pena, passando pela Praça Sete. Dois trios elétricos puxaram o ato, que se encerrou na Praça da Estação, onde houve shows de artistas em apoio ao protesto.

Além de faixas e cartazes contra os cortes de verbas para universidades públicas, o protesto teve faixas contra a reforma da previdência e contra a flexibilização do porte de armas – duas medidas defendidas pelo governo federal.

Assim como no primeiro ato contra os cortes da educação, a manifestação teve poucas faixas de partidos políticos e poucos parlamentares discursaram nos trios. A maior parte das falas ficou a cargo de lideranças estudantis.

“Os protestos contra esse governo só poderiam mesmo começar das escolas e faculdades, onde estamos vendo os impactos de medidas absurdas. Ainda consideram educação um gasto e não um investimento no país”, conta Débora Dias, aluna do terceiro ano do ensino médio.

Ela levou um cartaz pedindo “menos armas e mais educação”. Um grupo de estudantes da Universidade Estadual de Minas Gerais gritou contra o governador Romeu Zema e cobrou mais investimentos na entidade estadual. “Se você corta, não deveria. Educação não é mercadoria”, cantaram os estudantes.

A Polícia Militar não divulgou estimativa de público no ato de Belo Horizonte. Os organizadores afirmaram do trio elétrico que cerca de 200 mil pessoas participaram do ato na capital mineira.

Torcidas 

Grupos de torcidas do Atlético e do Cruzeiro se juntaram no ato. Participantes de um coletivo de torcedoras atleticanas chamado Frente Feminista Alvinegra e de uma torcida organizada cruzeirense chamado Resistência Azul Popular protestaram juntas contra os cortes na educação e outras medidas do governo Bolsonaro.

Entre as faixas e cartazes contra o presidente Jair Bolsonaro e os cortes na educação várias pessoas levaram cartazes pedindo a libertação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso desde abril do ano passado na sede da Polícia Federal em Curitiba, no Paraná.

Novo protesto

“A articulação da educação ja está fechada para parar o dia 14. Na sexta-feira, as centrais sindicais estão chamando todos os sindicatos para uma plenária para a gente fechar o dia 14. A proposta é parar o Brasil, aqui em Belo Horizonte parar tudo”, afirmou Cristina del Papa, coordenadora do Sindicato dos Trabalhadores nas Instituições Federais de Ensino (Sindifes).

Segundo ela, será greve por tempo determinado, só no dia 14. O ato será na parte da manhã.

Leia também

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *